fbpx
Minas GeraisPolítica

Zema demite secretário de Saúde

O governador Romeu Zema (Novo) comunicou a demissão do secretário de estado de Saúde de Minas Gerais, Carlos Eduardo Amaral, na noite desta quinta,11. Ele estava pressionado após abertura de CPI na Assembleia para investigar a vacinação de 806 servidores da pasta contra a COVID-19.

“Comunico o afastamento do Dr. Carlos Eduardo da Secretaria Estadual de Saúde. Agradeço o trabalho que realizou à frente da secretaria, em especial no combate à pandemia e na gestão para a futura retomada das obras dos Hospitais Regionais no Estado”, escreveu Zema no Twitter.

Romeu Zema também ressaltou que o estado “tem um dos melhores resultados no enfrentamento ao coronavírus graças à responsabilidade da gestão” de Amaral.

Permanência durou pouco
Em reunião a portas fechadas na manhã desta quinta, o governador optou pela permanência do médico no cargo de confiança. A própria assessoria de comunicação da SES confirmou isso.

Porém, ele desidratou no cargo após abertura da CPI fura-filas na ALMG. Dos 77 deputados estaduais, 39 assinaram o requerimento, que foi aceito pelo presidente da Casa, Agostinho Patrus (PV), logo em seguida.

Publicamente, Zema cobrava a investigação sobre a vacinação pelos órgãos internos do estado. Ele também pediu esclarecimentos da pasta à população.

Uma tentativa disso aconteceu na tarde desta quinta, quando o ex-secretário de Saúde concedeu entrevista coletiva a jornalistas na Cidade Admnistrativa, em BH.

“Não vejo nenhum ilícito e nenhuma imoralidade na vacinação das secretarias estadual e municipais de saúde”, disse.

O médico também afirmou que todos os servidores imunizados tiveram seus dados notificados ao Ministério da Saúde.

Em entrevista coletiva, o secretário de Saúde detalhou as áreas da secretaria cujos funcionários receberam as doses.

Fazem parte desse grupo o gabinete do secretário, assessorias da SES, subsecretarias, pessoas responsáveis pelo transporte de suprimentos, trabalhadores da Rede Frio (onde as ampolas são armazenadas), almoxarifado e trabalhadores das unidades da Farmácia de Minas. ( EM)

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo